• Mais
  • Colunas
  • 4.10.2011 - 17:58
  • Obrigado, Wilson.
  • Impressões da entrevista com o primeiro vencedor de uma corrida de kart no Brasil

  • Wilson Fittipaldi e Ricardo Belussi no dia da entrevista ao Allkart.net (Crédito: Renan do Couto).

    Olá. Se você chegou até aqui, muito provavelmente gosta de automobilismo. Ou porque lê o Allkart, ou porque caiu nesta página depois de uma pesquisa sobre automobilismo no Google. Mas gosta, em maior ou menor escala, de automobilismo. Aposto. Já torceu por Senna ou já ficou bravo com Barrichello. Então, se você gosta de automobilismo, acompanha, cobre, pratica, apoia, torce, investe, é doente ou fanático, você deve tudo isso à família Fittipaldi.

    Se o que Emerson Fittipaldi fez na Fórmula 1 foi de enorme valia para que hoje estejamos aqui, você lendo e eu escrevendo, o que fez Wilson Fittipaldi, tanto o ‘Barão’ quanto o Júnior, também têm fundamental importância. Até mais, talvez. Mas é daquelas coisas que não tem nenhuma necessidade, nem vai fazer nenhuma diferença medir. O fato é que se existe automobilismo no Brasil. Se existem brasileiros correndo em diveras categorias pelo mundo, se o país tem oito títulos e três dos maiores ídolos da história da Fórmla 1, se o Brasil tem um kart – com ou sem crise – ativo e três campeões do mundo nessa modalidade, tudo isso se deve à família Fittipaldi.

    Digo e escrevo isso hoje ainda com mais convicção. Já sabia e li tudo que podia a respeito da história desse nome. A primeira vitória na Fórmula 1, o primeiro título mundial, a Lotus 72 e a coragem nunca mais igualada de montar uma equipe brasileira na Fórmula 1 já são conversas bem conhecidas.

    O que eu não sabia até poucas semanas atrás é que ainda existe muito mais por trás desse nome e dessa história. Tive o privilégio, daqueles de fazer valer a pena os anos de estudo e de trabalho no jornalismo, de entrevistar Wilson Fittipaldi Júnior. Para muitos, o ‘irmão do Emerson’ ou ‘pai do Christian’. Para mim, agora, o cara que ganhou a primeira corrida de kart no Brasil. Mais? Ok. O cara que ganhou o primeiro Campeonato Paulista. O cara que ganhou o primeiro Campenato Brasileiro. O cara que revolucionou aquele kart ainda primata dos anos 60 e montou o que hoje é a mais antiga fábrica de karts em ativa no Brasil, a Kart-Mini, aos 18 anos de idade.

    Seu projeto próprio, baseado somente na intuição do que seria um kart eficiente, tinha uma pilotagem quase deitada e uma distribuição de peso excelente. Sem qualquer graduação de engenharia, só no ‘feeling’, revolucionou aquele primeiro kart, que virou um ‘bugue’ depois do ‘Mini’. Seu projeto vendeu 30 karts no primeiro ano. Mais de cem no segundo. Incontáveis até hoje. Revelou gênios e alimentou sonhos de garotos e garotas, seus pais e suas mães.

    Wilson Fittipaldi Júnior é o cara. Foi o Renan do Couto, o mais novo integrante da equipe Allkart.net, quem fez os contatos e arrumou a entrevista. E lá fui eu junto com ele para a Barra Funda, bairro na zona oeste de São Paulo, encontrar Wilson Fittipaldi Júnior na sede da equipe WB Motorsport, pela qual seu filho, Christian, disputa o Troféu Linea.

    Devo dizer que fui para a entrevista sem saber ao certo o que aquela conversa ia render. Sabia de toda a história dos Fittipaldi a partir da ida de Emerson para a Europa, e só ela seria o suficiente para a base de um material sobre a participação deles no kart, assunto pouco explorado até hoje. Eis que logo de cara ele conta: “ganhei a primeira corrida de kart no Brasil”. Controvérsias de uma história pouco registrada não importam nesse momento. Eu devia ter parado a entrevista logo na primeira resposta e aplaudir. Estava diante da história, independente se ganhou ou foi segundo. Não dá para descrever. Mas nem deu tempo de pensar nisso. Cada relato fazia o queixo cair um pouco mais e aumentava a ansiedade pelo causo ou pelo feito seguinte. Minha ideia, antes de começar, era ficar andando pela sala fotografando enquanto o Renan tocava a entrevista. Mal consegui levantar da cadeira, tirei cinco fotos. Não dá para você perceber que está diante da história viva e não prestar atenção em cada detalhe.

    A sensação de estar diante de um protagonista da história do automobilismo no Brasil é indescritível e sem igual. Imagino que deve ser a mesma sensação de quem pode interagir, nem que por pouco mais de uma hora como eu fiz com Wilson, com Emerson, Nelson ou Ayrton. Ou ainda Fangio, Schumacher ou Villeneuve. Ouvir pelo menos uma história de um cara desses. Que dirá ouvir um resumo da história da vida.

    No caso de Wilson Fittipaldi, a história de um talento nato e do empreendedorismo de fundar uma fábrica de kart do Brasil aos 18 anos de idade. De ir para a Europa, montar equipe de Fórmula 1 e tudo aquilo que a gente já sabia.

    Se você ainda não leu, leia a entrevista de Wilson Fittipaldi Júnior para o Allkart.net (Aqui a parte 1 e Aqui a parte 2). É uma história de vida fascinante. Se ainda não for o suficiente, leia as biografias já publicadas da família, veja os documentários.

    Depois disso, se você gosta de automobilismo, acompanha, cobre, pratica, apoia, torce, investe, é doente ou fanático, aposto que também vai dizer: obrigado, Wilson.

  • Autor:
  • Ricardo Belussi -

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 


3 Responses to Obrigado, Wilson.


    • Marcos Peli diz:
    • 5 de outubro de 2011 at 8:11
    • Parabéns a equipe do allkart pela matéria.

      Na decada de 70 , eu era ainda uma criança , meu pai me levava para assistir corridas da F1 em Interlagos , e posteriormente em Jacarepagua
      Tive o privilégio de assisstir da arquibancada de Interlagos , uma corrida onde Emerson Fitipaldi e Keke Rosberg eram pilotos da Copersucar , … ou seja ,.. do carro idealizado e construido por este maluco aí da entrevista , que pelo visto já era maluco desde os 18 anos de idade ,…rs

      Mais uma vez , parabéns pela entrevista

    • Responder
    • Erno Drehmer diz:
    • 5 de outubro de 2011 at 8:44
    • Renan e Ricardo.
      Não sei o que eu parabenizo mais, se a entrevista em si ou se o relato emocionado – e que me emocionou igualmente – do Ricardo. Estar “diante da história” é fantástico. Parabéns Ricardo, parabéns Renan – apostei nele em Interlagos!!! – e parabéns Allkart.

    • Responder
    • Max diz:
    • 6 de outubro de 2011 at 19:22
    • Ricardo, parabéns a você a ao Renan, por esta fantástica entrevista! Sem dúvida vocês nos brindaram com uma passagem da história que faz parte de todos nós apaixonados pelo automobilismo.
      Vida londa a família Fittipaldi!

    • Responder